Arquitetura Ágil = Design Emergente + Arquitetura Intencional

Arquitetura Ágil = Design Emergente + Arquitetura Intencional

Metodologias de desenvolvimento tradicionais costumam usar Big-Design-Up-Front (BUFD) para criar uma infra-estrutura de roadmap arquitetônico destinado a atender plenamente as necessidades do futuro sistema. A crença é que um esforço único no início poderia capturar requisitos e planos arquitetônicos suficientes para suportar o sistema para os próximos anos.

No entanto, esta abordagem vem com muitos desafios. Um deles é o delay no início da execução. Um outro desafio surge quando a arquitetura planejada, que possui um conjunto grande de especulações, se encontra com o mundo real. Pouco tempo é suficiente, para que os desenhos se tornem frágeis e difíceis de mudar e eventualmente surge um Big-branch-and-merge para que um novo conjunto de suposições especulativas seja colocado em ação. Para endereçar esses desafios combinamos o design emergente e a arquitetura intencional, impulsionados pela colaboração.

Design Emergente

O princípio 11 do Agile Manifesto é o principal motor por trás do conceito de design emergente: “As melhores arquiteturas, requisitos e projetos emergem de equipes auto-organizadas.” As implicações disso são:

  • O design é cultivado de forma incremental por aqueles que estão mais próximos a ele.
  • O projeto evolui de mãos dadas com a feature de negócios. Ele é constantemente testado e ativado por refatoração, TDD e integração contínua.
  • Equipes evoluem rapidamente o projeto de acordo com os requisitos atualmente conhecidos; o projeto é estendido somente conforme necessário para implementar e validar o próximo incremento de feature.

Esta nova prática de design emergente é eficaz no nível de equipe. No entanto, o design emergente por si só é insuficiente para o desenvolvimento de grandes sistemas.

  • Ele pode causar redesenho excessivo para coisas que poderiam ter sido antecipadas.
  • Equipes nem sempre são capazes de sincronizar com as outras, criando assim uma entropia de suposições e divergência de arquitetura.
  • As equipes podem mesmo não estar cientes de algumas das necessidades futuras de negócios maiores; fatores fora de seu alcance que direcionam a necessidade da arquitetura futura.
  • Bases comuns de arquitetura melhoram a usabilidade, extensibilidade, desempenho e manutenção de um sistema de sistemas maior.
  • Novos, padrões do usuário transversais afetam o propósito futuro da arquitetura.
  • Fusões e aquisições direcionam integrações e a necessidade de padronização da infra-estrutura.

Arquitetura Intencional

Portanto, chega um ponto em que o design emergente é uma resposta insuficiente à complexidade do desenvolvimento de sistemas em larga escala. Simplesmente, não é possível para as equipes se antecipar às mudanças que podem muito bem ocorrer fora do seu ambiente. Também não é possível para as equipes individuais entenderem completamente todo o sistema e, assim, evitar a produção de código e design redundante e ou conflitantes. Para isso alguma arquitetura intencional é necessária – um conjunto de iniciativas de arquitectura intencional, planejado para aumentar o design da solução, desempenho e usabilidade e fornecer orientação para o projeto entre as equipes e sincronização da implementação.

Arquitetura é uma colaboração

Claramente, é melhor ter ambos: rápido, controle local do design emergente e uma visão global da arquitetura intencional. A combinação, proporciona a orientação necessária para assegurar que o sistema como um todo tenha integridade conceitual e eficácia. Alcançar o equilíbrio certo de design emergente e arquitetura intencional impulsiona a evolução eficaz do sistema, como mostrado no diagrama desse post. 

O diagrama mostra que eles não são construções independentes. Arquitetura intencional restringe o design emergente, mas a um nível suficientemente elevado de abstração para permitir que as equipes possam se adaptar eficazmente a parte “intencional” para seu contexto específico. Ao mesmo tempo, influências e design emergente corrigem a arquitetura intencional e também alimentam novas ideias para o futuro, centralizando o esforço intencional.

Tal reciprocidade profunda entre design emergente e arquitetura intencional só pode ocorrer como resultado da colaboração entre as equipes ágeis, arquitetos de sistemas e gestores de produto.

Fonte: SAFe

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s